Overtures

Postado em grafismos, ilustração, Making Of, Tipografia em novembro 13th, 2009 por Rafael

No post anterior eu falei sobre os fractais que pûs no livro, mas percebi que não faz muito sentido falar deles sem falar das… tcharam… aberturas de capítulo! Afinal, sem elas os fractais não teriam uma frente para fazer verso hehe. Mas realmente isso foi um fator importante no desenvolvimento do projeto. Como já falei, no meio desse ano, achei que o livro estava pronto, mas não me sentia muito satisfeito. E só conversando com a professora Cássia é que me dei conta de que os elementos estavam muito jogados, e de certa forma desvalorizados.

Esses elementos seriam: nome do capítulo, citação e autor, ilustração e… realidade aumentada! haha desde o começo desse ano eu tinha vontade de fazer alguma interatividade com a webcam, e sabia que eu ia precisar de algo com contraste forte pra funcionar, mas não tinha pensado sério a respeito. Quando decidi usar os hexagramas pra fazer esse contraste gostei muito, mas eles ficaram ruins no meio do texto.

Resolvi então começar todos os capítulos em página ímpar. Primeiro viria uma página de abertura, e em seguida -novamente em página ímpar- viria o páragrafo inicial com capitular. Rapidamente me veio a idéia de botar os elementos centralizados, montando uma faixa estreita no centro. Peguei uma folha do tamanho parecido com o final e dobrei ela nos terços e comecei a traçar as linhas áureas, que me deram a largura da faixa e as alturas dos elementos.

No fim, as aberturas de capítulos me deram a oportunidade de valorizar muitos elementos ao mesmo tempo, inclusive os hexagramas com contraste pesado. E eles ficaram tão legais que tive que repensar a capa para incluir um tb. mas isso fica pro próximo post.

Tags: , , , ,

DesCartes

Postado em ilustração, Making Of em setembro 15th, 2009 por Rafael

Falando com o Brunão da minha classe outro dia, ele reclamou sobre ter a idéia mas não conseguir definir o traço para o desenho. Por isso fiquei com vontade de voltar de novo à essa questão. Realmente acontece de você ter um conceito e imaginar como quer as coisas, mas conseguir fazer é outra história. Botar a caneta no papel e fazer sair o que você imaginou não é tão simples. E o pior é conseguir e ver que não é tão legal quanto na imaginação…Resolvi postar aqui alguns desenhos mais antigos do que os que estava falando até então, para ilustrar as mudanças que ocorreram e o processo extendido.

Lá no começo contei que finalizado o texto, defini uma idéia geral para as ilustrações ou imagens que ele deveria conter. Cheguei a pensar que em vez de desenhos poderiam ser fotos P&B e até perguntei para a Marina se ela não se interessaria em fazer umas. Mesmo assim resolvi fazer ilustrações com os mesmos temas. Na época, achava que os capítulos poderiam ser abertos com uma ilustração de página dupla. Seria algo como uma quebra no fluxo, um alívio e uma surpresa, mas só depois de fazer o primeiro flipbook é que percebi que o texto tinha capítulos muito pequenos. O alívio se tornaria repetitivo e impertinente.



Como dá pra perceber, a ilustração era meio arredondada, sem muito propósito, poderia ser desse livro como de qualquer outra coisa. Nessa época ainda não havia definido aqueles elementos-chave que definiriam as capitulares e o resto das ilustrações. Até o título/logo carecia dessas diretrizes.

Outra idéia que tentei foi a de escolher um hexagrama para cada página apartir do sentido geral dela (sentido geral de uma página é algo muito absurdo olhando agora). Partindo disso eu faria um sumi-e para cada hexagrama, abstraindo o sentido de cada trigrama e tentando ilustrar o sentido do hexa. Algo como:

Contemplação-formado por montanha em cima e lago em baixo= daí isso daria um desenho dessa cena. Acho que um dia ainda faço essa idéia, mas num projeto separado.(e quando os sumi-e ficarem bonitos!)

Após definir aquelas diretrizes, o que me ajudou a produzir foi fixá-las como um estilo meu, para isso, passei a desenhar aleatóriamente coisas que incorporassem os elementos. Como este pequeno desenho que fiz com meu amigo Betão/bonekrisnha.

E foi assim, rabiscando muito, produzindo e descartando, que fui fazendo um filtro, não só de qualidade, mas de coesão e coerência entre as partes do projeto.
Espero que tenha funcionado.

Tags: , , ,