Capas

Postado em grafismos, ilustração, Impresso, Making Of em novembro 18th, 2009 por Rafael

Muita gente elogiou a capa do livro durante o evento. Em grande parte pelo efeito do verniz, que traz uma certa interatividade lúdica, um joguinho de ficar mexendo o livro pra tentar ver o desenho -que é justamente o que eu queria, e fico muito satisfeito por ver que funcionou. Mas também vieram elogios direcionados ao próprio desenho. O que me deixa bem aliviado, já que demorei muito pra chegar nesse desenho final.

Como comentei num post passado, eu mudei diversas vezes a capa do livro, mas na verdade eram derivações e melhoramentos de um rascunho original a mão, todo livre, que muito me apetecia. Depois de definidos os elementos-chave das ilustrações, refiz o desenho, partindo de formas geométricas, circulos concêntricos e proporções áureas, que deu nisso. O problema, sempre aprecia na hora de vetorizar, pois a minha falta de familiaridade com essa técnica fazia o desenho perder a vida que tinha no papel, mas mesmo assim este saiu até que bom. E dei por finalizado o livro. Mas algo não estava bem, falatava uma comunicação interna no livro -capa, ilustrações, texto e títulos estavam só dispostos no mesmo lugar mas não formavam um conjunto.

Foi então que vieram as aberturas de capítulo, reservando um espaço justo para ilustrações e títulos. Elas criaram uma unidade no texto, e como consequência, chutaram para fora a minha tão suada capa, anterior. Mas tinha que ser assim. Fiquei muito mais satisfeito com essa.  Engraçado que na primeira impressão para teste dela, um sujeito que estava ao meu lado na gráfica disse que gostou, mesmo sem saber do que se tratava haha.  Bom, agora eu tinha um disposição nova dos elementos,  e a necessidade de um desenho novo. Aí fui fazendo tudo de novo. Aqui tem algumas imagens geradas durante o processo.

Outro detalhe engraçado é que esse desenho final, antes formava uma “bundinha” embaixo haha que causava um certo desconforto. Aí um dia olhando pro desenho e quase ficando cansado dele, deitei no chão e ví que o tampo da mesa formava tipo uma mesa de luz, e resolvi sobrepor dois rascunhos! haha e assim as asas de mazda entraram no desenho, me deixando muito mais satisfeito. ^__^

depois volto aqui pra postar os respectivos links “pingo” de volta pra cá

bjos!

Tags: , , , ,

Capítulo Zero

Postado em Making Of em agosto 10th, 2009 por Rafael

Pensei em adicionar as coisas aqui tentando seguir uma ordem cronológica, sei que vai ser difícil e nem pretendo me ater tanto à isso. A idéia tem mais a ver com ir relembrando e arquivando coisas.

Bom, não lembro ao certo a data, mas sei que foi bastante tempo depois que tinha dado o conteúdo do livro fechado. Acordei de madrugada com a idéia do livro, montadinho, atormentando a cabeça. Ele parecia uma bíblia, tinha um acabamento rebuscado, cantos com ponteiras de metal e tal hahaha. Mas tinha toda a idéia de como deveria ser feito. Como já aprendi que nessas horas o melhor a fazer é levantar e fazer algo, tomei nota de tudo o q estava pensando. O resultado foi esse rascunho.
É interessante ver que muitas idéias continuaram firmes até agora, mastb muita coisa mudou. Algumas coisas eram consideravelmente difícieis, como os 64 desenhos representando os 64 hexagramas, mas eu quase os fiz!
O espírito geral da coisa era transformar o objeto livro em algo mais sagrado, algo que criasse uma atmosfera de curiosidade, interesse e respeito (acho q o negócio da bíblia apareceu pq a biblia sempre foi um objeto q me inspirou respeito, e as vezes até medo), fora isso essa identidade também aponta para as coisas mais profundas do texto. Além disso outros dois fatores ajudavam a escolha de um layout rebuscado: primeiro que a noção do descartável precisa ser rapidamente revista, os objetos precisam ser feitos para durar, e as pessoas têm de perceber que é bom que eles durem. Segundo, que com o conteúdo do livro disponível na internet (já que nunca foi meu interesse ganhar dinheiro com isso) o livro em papel deveria oferecer algo mais, para despertar interesse de compra, e também numa pontinha de vontade de que as pessoas saíssem da tela por um tempo.

Embora hoje em dia eu mesmo não saia tanto, eu sei o quanto é valoroso dar uma volta por aí e olhar com carinho as coisas mais banais e corriqueiras.

Tags: , ,