Coincidência ou não

Aconteceram algumas coisas interessantes (para a minha imaginação fértil apenas) que me fizeram querer escrever por aqui de novo. Apenas coisas banais, que minha cabeça começou a relacionar.

Uma vez minha professora de Sociologia ficou visivelmente irritada, quando eu comentei numa discussão que a internet parecia ajudar a enxergar que o comportamento humano numa escala macro parece um cardume de peixes. Eu quis dizer que é engraçado ver as tendências, as modas pegando, e a internet parece ajudar a visualizar esse processo. Acho que se eu tivesse colocado dessa maneira ela não teria ficado nervosa. De qualquer forma, lembrei disso outro dia quando estava procurando algum vídeo bobo na internet e achei o Joel Santana Auto-tune.

Na hora, me lembrei que o Pedro Oliveira, tinha comentado sobre “auto-tunes” muito tempo atrás. O Pedro é o cara que, pra mim, sempre esteve na vanguarda do que viria a ser moda. Ele me mostrou o twitter tanto tempo antes de o negócio pegar, que eu simplesmente não entendia para o que aquilo podia servir. Como na vez do twitter, nem prestei atenção do negócio dos “auto-tunes” na época e só agora resolvi checar. Achei engraçado, vi mais alguns relacionados, dei risada e depois fui ver TV. Para a minha surpresa, a mensagem de encerramento do fantástico era um auto-tune com os globais e a música que encerrou o Pânico na TV era o auto-tune do Zagallo!

Eu não sei se isso é uma modinha, se vai aparecer mais vezes ou não. O interessante foi a coincidência. Tanto de ter visto na TV o que eu tinha visto no youtube, quanto de mais uma vez o Pedro ter sido “profético” haha. Lembrei também de uma vez, quando era pequeno, ouvir minha vó usar a palavra “ensejo”, e de perguntar o significado dela, pois não conhecia. Naquela mesma semana ouvi ou li “ensejo” em vários lugares. Não acho que seja coincidência, acho que é aquele negócio de você descobrir uma coisa e aí sim conseguir achar ela por aí. Tipo, acho que nunca tinha reparado o quanto se usa Monotype Corsiva por aí até ter usado ela num trabalho. Mas ainda no assunto das coincidências, quando cheguei aqui em Itanhaém, meu irmão estava abrindo a Superinteressante do mês que vem (jan 2011, 287), que fala sobre Destino.

Comecei a ler a matéria, mas ainda não terminei. De qualquer forma, ela começa falando que nosso cérebro tem um defeito genético que nos faz procurar sentido em tudo. E logo em seguida diz algo como “você vai entender do que estou falando, Rafael”. O autor completa dizendo que se o leitor se chama Rafael, ele provavelmente se sentirá especial. Bom, eu me chamo Rafael, e por mais que eu estivesse ciente de que ele estava brincando com probabilidades, tenho que admitir que é difícil não ficar intrigado. Até o terceiro ano de faculdade, eu nunca tinha sido o único Rafael da classe, então não deveria estranhar, mas não é o que acontece no primeiro contato com uma coincidência.

Para completar, ganhei de presente o livro “O Andar do bêbado-como o acaso determina nossas vidas“, de Leonard Mlodinow. Nada aleatório, já que eu pedi ele na nossa listinha, assim como também não acho estranho o fato de ter ganhado dois dele! O livro fala justamente sobre aleatoriedade  e discute a nossa dificuldade nata de interpretar eventos não-correlatos. Parece bem interessante e divertido. Vou ler os dois, a matéria e o livro, e depois tento compartilhar o que achei. ^___^

Tags: , ,

One Response to “Coincidência ou não”

  1. » Blog Archive » Samsara? Says:

    [...] o post antes do anterior, vou voltar a falar sobre predeterminações. Não consegui ainda ler o livro “O Andar do [...]

Responda!