Não-Escrita

Postado em Impresso, Making Of, Relatório, Tipografia em setembro 18th, 2009 por Rafael

Hoje comecei, finalmente, a rascunhar o relatório pro projeto. Percebi que estou bem enferrujado. Comecei meio que pelo começo desse tipo de texto, ou seja, pela contextualização histórica do tema. Falei então um pouco sobre a história da comunicação para entrar na crise do impresso gerada pela digitalização da escrita. Aí percebi uma coisa: Meu braço começou a doer

Talvez por não ter mais aula, devo ter escrito muito pouco na mão esse ano. No computador, por outro lado, escrevi bastante, uma boa parte da minha comunicação com minha família é feita por escrito. Percebi também que apesar de ter duas impressoras em casa, nenhuma delas têm tinta faz muito tempo. No semestre passado, o Prof. Plácido, pediu para entregar os relatórios finais em CD. Isso realmente faz a gente pensar na possibilidade do declínio do Império Impresso.

Mas apesar disso é interessante lembrar que o livro foi todo rascunhado na mão. (aliás, muito no começo, cogitei publicar o livro direto na caligrafia -isso se ela fosse bonita ou legível haha). Sempre preferi rascunhar na mão os textos, assim como prefiro essa superfície para fazer sketchs. Acho que a facilididade de poder rabiscar em qualquer lugar, e principalmente a relativa dificuldade em apagar, são muito benéficas à inspiração e à qualidade do produto. Ver o papel iluminado pelo sol, quentinho, ou então ajustar o texto ou desenho em relação ao formato do papel que você tem são coisas muito interessantes do ponto de vista da criatividade. Assim como ainda me parece muito inspirador e confortável apreciar desenhos e textos impressos.

Esse título do post era o nome de uma redação que fiz na quinta ou sexta série, que era uma ficção sobre uma ditadura que reprimia a escrita e substituía a comunicação por ícones, daí os revolucionários -que eram o povo, que era quem confeccionava os sinais- começa a construir os símbolos com texto. Hahaha bem designer né? Como esse texto foi escrito no computador eu tenho ele até hoje comigo, se fosse no papel acho que não seria bem assim.

Ah, e a ferrugem no fluxo das idéias, coerência e coesão espero sanar por aqui.
bjos

Tags: , ,

DesCartes

Postado em ilustração, Making Of em setembro 15th, 2009 por Rafael

Falando com o Brunão da minha classe outro dia, ele reclamou sobre ter a idéia mas não conseguir definir o traço para o desenho. Por isso fiquei com vontade de voltar de novo à essa questão. Realmente acontece de você ter um conceito e imaginar como quer as coisas, mas conseguir fazer é outra história. Botar a caneta no papel e fazer sair o que você imaginou não é tão simples. E o pior é conseguir e ver que não é tão legal quanto na imaginação…Resolvi postar aqui alguns desenhos mais antigos do que os que estava falando até então, para ilustrar as mudanças que ocorreram e o processo extendido.

Lá no começo contei que finalizado o texto, defini uma idéia geral para as ilustrações ou imagens que ele deveria conter. Cheguei a pensar que em vez de desenhos poderiam ser fotos P&B e até perguntei para a Marina se ela não se interessaria em fazer umas. Mesmo assim resolvi fazer ilustrações com os mesmos temas. Na época, achava que os capítulos poderiam ser abertos com uma ilustração de página dupla. Seria algo como uma quebra no fluxo, um alívio e uma surpresa, mas só depois de fazer o primeiro flipbook é que percebi que o texto tinha capítulos muito pequenos. O alívio se tornaria repetitivo e impertinente.



Como dá pra perceber, a ilustração era meio arredondada, sem muito propósito, poderia ser desse livro como de qualquer outra coisa. Nessa época ainda não havia definido aqueles elementos-chave que definiriam as capitulares e o resto das ilustrações. Até o título/logo carecia dessas diretrizes.

Outra idéia que tentei foi a de escolher um hexagrama para cada página apartir do sentido geral dela (sentido geral de uma página é algo muito absurdo olhando agora). Partindo disso eu faria um sumi-e para cada hexagrama, abstraindo o sentido de cada trigrama e tentando ilustrar o sentido do hexa. Algo como:

Contemplação-formado por montanha em cima e lago em baixo= daí isso daria um desenho dessa cena. Acho que um dia ainda faço essa idéia, mas num projeto separado.(e quando os sumi-e ficarem bonitos!)

Após definir aquelas diretrizes, o que me ajudou a produzir foi fixá-las como um estilo meu, para isso, passei a desenhar aleatóriamente coisas que incorporassem os elementos. Como este pequeno desenho que fiz com meu amigo Betão/bonekrisnha.

E foi assim, rabiscando muito, produzindo e descartando, que fui fazendo um filtro, não só de qualidade, mas de coesão e coerência entre as partes do projeto.
Espero que tenha funcionado.

Tags: , , ,

*tendência ao caos

Postado em Sem categoria em setembro 15th, 2009 por Rafael

Como de costume. Quando meus trabalhos chegam próximos da conclusão, ou de pontos chave, forças obscuras tentam dar uma atrapalhada e me deixar nervoso haha.
Por isso que eu já faço meus trabalhos com uma certa folga no prazo. No momento estou desinstalando meu pacote Adobe CS3 que simplesmente parou de funcionar.
Ainda bem que eu sou meio Zen e já me acostumei com essas pegadinhas haha isso não chega perto das grandes urukubacas de fim de semestre, como a vez em que eu tive que ir passando o meu trabalho de computador em computador em casa pq eles queimavam um depois do outro! Três em seguida! hahah

Aventura!

‘Segundas’ Tormentas

Postado em ilustração, Impresso, Making Of em setembro 11th, 2009 por Rafael

Bem como o texto sugere, a maioria das ilustrações simplesmente surgiu. Na época das primeiras ilustrações e das capitulares eu tinha uma boa rotina de yoga matinal e meditação, o que ajudava a controlar a ansiedade e prestar atenção nas flutuações de inspiração. Muitas vezes, pensar muito sobre o desenho te confunde. Se aquilo realmente importa, sua cabeça ficará trabalhando no problema em segundo plano, o que importa é você estar atento para quando ela aparecer com a solução. Com o tempo a rotina foi mudando drásticamente e isso foi ficando cada vez mais difícil…

primeira ilustração

Essa surgiu bem de manhã, logo após acordar. Claro que ela não saiu assim, saiu foi um rabiscão, mas com a idéia geral pronta. Foi utilizada na folha de rosto, como pode ser visto aqui. Infelizmente  perdeu se lugar na versão final.(Quem sabe não ache um né?) Outras já tinham uma localização mais definida pois eram referentes à determinadas partes do texto. Acontece que o texto não tinha sido diagramado pensando nelas. A idéia é que elas seriam desenhadas levando em consideração o espaço onde elas pudessem se encaixar.

samabaia

copo-de-leite

armadura vazia

Essas acabaram ficando de fora, mas outras conseguiram se adaptar e figurar na versão final

instrumentos

mandala

A pesar de essa idéia ter sido realmente planejada assim, só vendo o resultado final, com vários desenhos, é que vi a falta de uniformidade no conjunto. Na verdade foi a Cássia quem me apontou isso -até falar com ela eu só sentia o desconforto. Isso foi um dos principais fatores que me fizeram recomeçar tudo de novo quase no final do primeiro semestre. Mas valeu a pena.

Tags: , , ,

*canseira

Postado em Sem categoria em setembro 11th, 2009 por Rafael

Nossa, fiquei esse tempo sem postar pq tive que adiantar algumas coisas no serviço, viajar e muito do tempo livre foi gasto pra fazer as duas ilustrações finais, corrigir algumas coisas e falar com gráficas. Que aliás é o que tem sido mais cansativo do mundo! haha

Acho que isso se deve à soma de duas coisas: a inexperiência da minha parte em fazer o contato, e o excesso de experiência desses caras com gente leiga. Tipo, eu peço orçamento para uma capa de tamanho tal, branco e roxo mais aplicação de verniz UV, frente, no papel preto em serigrafia. E recebo o orçamento para UMA cor!

Eu entendo que o mais normal é que quando a capa é preta e escrito em branco, o branco seja do papel e o preto seja um chapado de tinta, mas eu já pedi em serigrafia por isso, digo q forneço o papel e tal.. aff

Fora isso os caras ainda ficam dando um monte de palpite no seu projeto, te oferecem sempre o mais básico e barato, tipo, eu até entendo, mas eu quero justamente o diferente.

aff.. chega haha

Tags: